Quinta-feira, 28 de julho

ESG
ESG é coisa de gente grande. Entenda por que isso pode não ser tão bom

IstoÉ Dinheiro – 28/07/2022

Para quem acredita que o Brasil tem alguma mínima chance de cumprir os compromissos internacionais estabelecidos na Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) ou as metas relacionadas à agenda ESG, aqui vai um desafio: pegue o carro e viaje pelo País. Mas prepare-se: o que você vai ver pelo caminho pode doer aos olhos. Somos um País de pessoas pobres que vivem — ou sobrevivem — em cidades precárias, mal cuidadas, sem estrutura, inseguras e feias. Sim, isso é importante. Como afirmou o redator-chefe da IstoÉ Dinheiro, Edson Rossi, no artigo Um País liderado por gente assustadora, “estética é ética e é técnica”.




ESG

A conversa sobre ESG vai bem no LinkedIn, mas ainda não chegou ao Twitter, diz estudo da LLYC

Exame – 28/07/2022

Trabalho analisou 3,3 milhões de menções a ESG e temas relacionados nas redes sociais para concluir que, embora esteja bem consolidado na “bolha” empresarial, existe uma desconexão entre o que é falado pelos especialistas e o entendimento da sociedade civil.

VEJA MATÉRIA NA INTEGRA



ESG

ESG na prática: 100% das plantas da 3M do Brasil usam energia limpa, resultado de uma aposta inovadora feita há 10 anos

Projeto Draft – 28/07/2022

A pauta ESG está avançando no mundo inteiro e vem ganhando as agendas da maioria das empresas, grandes e pequenas. Quem não quer ficar para trás vem se movimentando, tirando o tema do discurso e lançando ações concretas alinhadas com o planejamento estratégico do negócio. Agora, imagine que lá atrás já tinha gente fazendo isso por entender que a sustentabilidade deveria ser prioridade.


VEJA MATÉRIA NA INTEGRA


ESG

Agenda ESG no setor petroquímico: Shell Brasil foca em transição energética a longo prazo
Um Só Planeta, Globo – 
28/07/2022

Rosana Jatobá conversa com Monique Gonçalves, gerente sênior de relações corporativas e regulatórias na Shell Brasil. A empresa está em um processo de transição energética para reduzir, ao máximo, o uso de combustíveis fósseis e a consequente emissão de gases estufa. Monique afirma que a Shell apoia o Acordo de Paris e tem como objetivo chegar a 2050 com emissões líquidas zero de carbono, dentro da estratégia ‘Impulsionando o Progresso’. A gerente também fala sobre a produção de biocombustíveis e hidrogênio verde, fontes de energia limpa, e as metas da Shell para os próximos anos.

VEJA MATÉRIA NA INTEGRA

Deixe um comentário

Conteúdos relacionados