Terça-feira, 25 de julho

NEWSLETTER – 25/07/2023

Profissionais negros têm 58 vezes menos chance de acessar altos cargos de gestão
O estudo intitulado Governança Corporativa e Diversidade Racial no Brasil: um Retrato das Companhias Abertas mostrou que lideranças corporativas de companhias abertas se mantêm desiguais para profissionais pretos e pardos. Companhias abertas — formalmente chamadas de Sociedades Anônimas (S.A.), registradas na Comissão de Valores Mobiliários — são empresas que possuem valores mobiliários (ações ou debêntures) em leilões na Bolsa de Valores ou no mercado de Balcão, podendo captar recursos e investimentos do público geral.

Leia a matéria na íntegra

As empresas, e em particular os CEOs, não podem mais fugir de assumir posições
Não sei se as leis da física se aplicam à política e à gestão, mas a terceira lei de Newton diz: cada ação leva a uma reação. O mercado já fala de ESG há alguns anos, critérios sociais e ambientais estão entrando nas avaliações de desempenho das empresas – e, obviamente, há alguns que não gostam disso. São aqueles que perdem com as novas regras, porque não têm respostas aceitáveis num mundo de mudanças climáticas, por exemplo.

Leia a matéria na íntegra

País tem pior índice em 10 anos de escolas públicas com projetos para combater racismo, aponta levantamento
O Brasil registrou em 2021 o pior índice em dez anos de escolas públicas com projetos para combater racismo: apenas 50,1% tinham em sua grade curricular iniciativas para discutir o tema, segundo levantamento da entidade Todos Pela Educação divulgado na segunda-feira (24).

Leia a matéria na íntegra

Governo fala em reparação e verdade a indígenas e negros em campanha na ONU
O governo de Luiz Inácio Lula da Silva sinaliza sobre a necessidade de ampliar o debate sobre verdade, justiça e reparação também à população negra e indígenas, e não apenas às vítimas da ditadura militar no Brasil, entre 1964 e 1985. A indicação faz parte de um documento preparado pelo governo e que serve como parte de sua campanha eleitoral para conseguir voltar a ter um assento no Conselho de Direitos Humanos da ONU a partir de 2024.

Leia a matéria na íntegra

Deixe um comentário

Conteúdos relacionados