Terça-feira, 30 de agosto

DIVERSIDADE
Interpretação da lei de cotas por governo federal e Cebraspe prejudica negros em concursos federais

The Intercept – 30/08/2022

Julio, 29 anos, mora em Goiânia, é engenheiro civil, negro, e sempre estudou em escola pública. Conseguiu acessar o ensino superior também graças às políticas afirmativas de cotas raciais. No início do ano passado, apostou as fichas em um super concorrido concurso para ingressar na Polícia Rodoviária Federal (PRF), estudando online e usando material de cursinhos preparatórios.


O edital oferecia 1.500 vagas, 1.125 delas para ampla concorrência, 300 para negros e 75 para pessoas com deficiência. Sintoma de um país com muita gente também qualificada à procura de emprego: 304.330 candidatas/os de todo país se inscreveram, uma média de 270 pessoas por vaga. O salário inicial era de R$ 9.899,88.



DIVERSIDADE

Comissão do TJSC avalia 227 candidatos autodeclarados negros em concurso público 
TJS – 30/08/2022
A Comissão de Avaliação Fenotípica do Tribunal de Justiça, integrada por cinco servidores da instituição, encerra nesta terça-feira (30/8) mais uma sessão de heteroidentificação junto aos candidatos que se autodeclararam negros no concurso público para provimento de cargos efetivos do quadro de pessoal do Poder Judiciário catarinense, deflagrado pelo Edital n. 19/2018, e que ainda não haviam sido convocados para sessões anteriores.


Os trabalhos de avaliação iniciaram na última segunda-feira (29/8) e serão concluídos nesta terça.  Desta feita foram convocados 227 candidatos. Os resultados serão publicados em breve no Diário da Justiça Eletrônico (DJe) e disponibilizados nos sites do TJ e da Fundação Getulio Vargas (FGV).


VEJA MATÉRIA NA INTEGRA


SUSTENTABILIDADE

Instituição coloca sustentabilidade no centro da pesquisa e leva troféu do O Futuro da Terra

Jornal do Comércio – 30/08/2022

Criado no dia 20 junho de 1940, o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) tem como finalidade principal incentivar, coordenar e superintender a defesa da produção, da indústria e do comércio de arroz produzido no Estado. Com a sua estação principal localizada em Cachoeirinha, a instituição contribui com pesquisas que buscam promover o desenvolvimento sustentável do setor orizícola.
Formada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), a engenheira agrônoma Mara Grohs tem dedicado sua carreira à cultura do arroz desde a faculdade. Pelos últimos oito anos, vem trabalhando como pesquisadora no Irga e, atualmente, tem seus estudos voltados para o campo da sustentabilidade na estação regional de pesquisa de Cachoeira do Sul, na linha de manejo e tratos culturais na cultura do arroz irrigado e soja cultivada em terras baixas.


VEJA MATÉRIA NA INTEGRA

 

NEGÓCIOS

Empresas que se destacaram durante pandemia agora lutam para sustentar negócios
CNN Brasil – 30/08/2022
Poucas empresas cresceram mais em meio à turbulência econômica da pandemia do que a Peloton nos Estados Unidos. Com as pessoas impossibilitadas (ou sem vontade) de ir à academia, os consumidores correram para comprar seus equipamentos de ginástica e, mais importante, se inscrever em suas aulas online. A Peloton registrou seus primeiros lucros trimestrais no ano de 2020, com a receita saltando 139% e as ações subindo 434%.


VEJA MATÉRIA NA INTEGRA

 

NEGÓCIOS

WhatsApp aposta em ‘comércio conversacional’ como novo canal de negócios no Brasil
O Globo – 30/08/2022
País em que a penetração do WhatsApp é a maior do mundo, o Brasil está na mira da plataforma em seus planos para monetizar o negócio. Em março, pela primeira vez, a Meta, empresa que controla o WhatsApp e é dona também do Facebook e do Instagram, contratou um diretor para tocar a operação brasileira.  — O consumidor está cansado de aplicativos ou sites frios, ou seja, nos quais ele não fala com ninguém nem tem uma recomendação. O “comércio conversacional” vai ser um novo canal de negócios — adianta Horn.


VEJA MATÉRIA NA INTEGRA



SUSTENTABILIDADE

“Hackers do bem” em prol da Sustentabilidade
o Dia – 30/08/2022

A quinta edição do Hacking.Rio fará os participantes refletirem sobre o futuro do planeta, de forma que eles criem um MVP (Mínimo Produto Viável) de impacto que dialogue com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A competição de “hackers do bem” possibilita a descoberta de novos talentos ou o apoio ao desenvolvimento de soluções através de financiamentos de empresas. Na análise da CEO e fundadora do evento, Lindalia Junqueira, as edições do Hacking.Rio têm grande impacto não somente no Brasil, mas também em todo o planeta.

VEJA MATÉRIA NA INTEGRA

Deixe um comentário

Conteúdos relacionados